Portal do Governo Brasileiro
  • Login/E-mail
  • Senha
Quarta-feira, 23 de abril de 2014 - Fuso horário: GMT -3
Serviços > Imprensa
IMPRENSA
Clipping da Assessoria de Comunicação Social
Custo ameaça expoetações de Santos
15/12/2009
A Tribuna - Porto e Mar - C1/C2
Líder brasileiro nas exportações de café, e ainda batendo recordes de embarques do produto, Santos corre o risco de perder parte de sua movimentação do grão para outros portos, especialmente Itaguaí (RJ). O alto custo operacional no maior complexo marítimo do País é o principal fator para a fuga da carga e já leva algumas das principais exportadoras da commodity a estudar alternativas mais vantajosas para as vendas da mercadoria ao exterior. Apesar do aumento de 17% nas exportações de café pelo cais santista, no acumulado de janeiro a novembro deste ano, as dificuldades operacionais e os custos já começam a pesar na avaliação do mercado. Segundo o diretor-geral da Stockler Comercial e Exportadora, Michael Timm, que também preside a Associação Comercial de Santos, sua empresa vai decidir ainda neste ano sobre a migração de seus embarques de café, de Santos para Itaguaí (como Sepetiba é chamado hoje). Para isso, falta a conclusão de um estudo interno, sobre as vantagens e as desvantagens da nova operação, e da negociação com operadores portuários fluminenses. A Tribuna procurou algumas das maiores exportadoras do grão no País, que tradicionalmente utilizam o cais santista para levar o produto ao exterior, e constatou a busca por novas alternativas. Para empresas como Serranorte, Cambraia e Sumatra, os portos do Rio de Janeiro são uma opção forte para as exportações do café. "A princípio, nos parece que vai valer a pena exportar por Sepetiba. Se tiver disponibilidade de navios lá, pode ser que mandemos 100% dos nossos embarques", afirmou Timm, da Stockler, lembrando que os principais armadores já fazem escalas frequentes no cais de Itaguaí. Por mês, a Stockler movimenta cerca de 500 contêineres com café em Santos. De acordo com o executivo, o porto fluminense tem duas importantes vantagens sobre Santos. Uma é o valor da THC (sigla de Terminal Handling Charges), espécie de taxa pela movimentação portuária, paga pela capatazia dos terminais. O outro é a agilização operacional nas instalações portuárias, que reflete na agilidade do transporte rodoviário. O preço da THC parece acompanhar o Porto de Santos no seu tamanho. É 75% maior do que em Itaguaí, considerando apenas os menores preços. Proporcionalmente em volume de cargas, o cais paulista movimenta quaseo dobrodo que Sepetiba. Enquanto em Santos a THC variadeR$400,00aR$550,00, em Itaguaí, a oscilação é de R$ 300,00 e R$ 360,00. Esses preços são cobrados por cada terminal. TRANSPORTE Tempo é dinheiro. O ditado popular se encaixa perfeitamente ao problema que vive as exportadoras de café em Santos. A espera para entrega ou retirada de contêineres nos terminais da Cidade prejudica o mercado do produto, segundo Timm. Embora os custos rodoviários sejam equivalentes entre Santos e Itaguaí, o tempo parado nas filas dos terminais locais limitam as operações. "O caminhão gasta dois dias para retirar o contêiner, carregar em Varginha (MG) e deixar no terminal em Santos. Em Sepetiba, um dia e meio. Com o tempo perdido em Santos, podemos fazer mais viagem no outro porto". Mas isso não é tudo. A estufagem do contêiner com as sacas de café, se feita no antigo Porto de Sepetiba, sai por R$ 520,00. Em Santos, entre R$ 720,00 e R$ 1.030,00. Porto de Santos é o mais caro do país, aponta Cecafé O Porto de Santos é o mais caro do País para as operações de café, confirma um levantamento do Conselho dos Exportadores de Café do Brasil (Cecafé). O custo da movimentação no complexo é 35,5% maior do que no porto mais barato. Santos lidera o mercado do grão não só nos volumes exportados ¬ três quartos das remessas brasileiras ao exterior passam pela região ¬, mas também em todos os quesito considerados para a formação do preço da operação. No geral, considerando THC, liberação de BL (Bill of Lading, que em português significa Conhecimento de Embarque)e estufagem, o custo de Santos é de R$ 1.336,00 para um contêiner de 20 pés. Em números médios, são R$ 426,00 para a THC, R$ 150,00 para o BL e R$ 750,00 para a estufagem. O segundo porto mais caro para os embarques de café é Vitória, no Espírito Santo. Para enviar um contêiner ao exterior pelo complexo capixaba é preciso gastar R$ 1.128,00, ou seja, 18,4% a menos do que no cais santista. Na sequência, aparece o Porto do Rio de Janeiro como de maior custo. São cobrados R$ 1.121,50 por contêiner embarcado. O valor é 19,1% e 0,57% menor do que em Santos e Vitória, respectivamente. SEPETIBA O Porto de Itaguaí ¬ cujo nome original era Sepetiba, mas que se mantém conhecido assim pelos setores portuário e de navegação ¬, que atualmente tem roubado cargas de café de Santos, é o quarto em custo de operação no País. No entanto, se analisado estritamente entre os cinco portos que escoam o grão, é também o segundo mais barato. Juntando a THC, a liberação do BL e a estufagem, Sepetiba tem custo de R$ 1.019,00 por contêiner, de acordo com o levantamento feito pelo Cecafé. Na concorrência dentro do Estado do Rio de Janeiro, o valor cobrado no cais de Itaguaí é 10% inferior ao da capital. Mas, diante do Porto de Santos, essa diferença sobe para 31,1%, ou R$ 317,00. O valor economizado é quase o mesmo cobrado no antigo Sepetiba pela THC, de R$ 301,5,00. Salvador é o porto mais barato do País para as exportações de café. Enquanto todos os demais que realizam este tipo de operação de comércio exterior ultrapassam a casa de R$ 1 mil, o complexo baiano cobra apenas R$ 985,87 por contêiner. No comparativo com o seu imediato mais barato, Itaguaí, Salvador é 3,3% mais em conta. No confronto com Santos, o porto soteropolitano aparece com 35,51% de vantagem no preço cobrado por contêiner, ou R$ 350,13 a menos. Embora esteja em um estado contíguo a Minas Gerais, o principal produtor de café do País, assim como os demais portos, Salvador tem o peso negativo da infraestrutura inadequada para contêineres e da ausência de linhas de navegação regulares, que atendam aos principais mercados consumidores do grão, os países da Europa e da Ásia.
Banco de Imagens
Porto KIDS
Companhia Docas do Estado de São Paulo - CODESP - Avenida Rodrigues Alves, s/nº - Macuco - Santos,
São Paulo, Brasil - CEP 11015-900
Fone: (13) 3202-6565 - Fax [clique aqui]