Acesso Ferroviário

Página Inicial > Infraestrutura > Acesso Ferroviário


O Porto de Santos possui uma malha ferroviária interna com 100 quilômetros de extensão. Esse modal responde, hoje, por cerca de 27% do transporte de cargas movimentadas no Porto de Santos.  Essa participação vem aumentando a cada ano e se intensificou a partir da criação, em 2015, de um grupo de trabalho denominado “Plano Diretor da Baixada Santista”, integrado pela MRS, VLi e Rumo, onde as ferrovias tratam dos investimentos necessários para a resolução de problemas verificados nos acessos ferroviários da Baixada Santista e internos ao Porto, unificando os procedimentos operacionais e o planejamento no atendimento aos clientes no curto, médio e longo prazos.

As cargas do agronegócio são as mais beneficiadas pelo uso da ferrovia no Porto de Santos, pois 53% são transportadas por esse modal.

Revitalização da Malha Ferroviária

Diversas intervenções na malha ferroviária interna do Porto de Santos foram realizadas para ampliar a capacidade de recebimento de cargas, tais como a revitalização da via permanente que, entre outras ações, promoveu a substituição dos perfis de trilhos antigos por um novo modelo com maior capacidade de suporte, permitindo a chegada de vagões carregados com maior quantidade de mercadorias e aumentando a velocidade de tráfego e da segurança operacional, com a redução do potencial de acidentes por descarrilamento.

Destacam-se importantes realizações em curso pela Portofer Transporte Ferroviário Ltda., operadora ferroviária arrendatária dos equipamentos e instalações ferroviárias da Codesp, que tem por objetivo a ampliação da participação do modal ferroviário no total de cargas movimentadas em Santos.

Remodelação do sistema ferroviário da região entre o canal 4 e a Ponta da Praia

A ação prevê a implantação de um novo conjunto de quatro vias ferroviárias de comprimento mínimo de 2.200 metros, ligando a região de Outeirinhos e Macuco à Ponta da Praia, em substituição ao pátio atual, que conta com linhas curtas que demandam uma grande quantidade de manobras para a acomodação dos trens que chegam ao Porto com destino aos terminais atendidos na área de influência do pátio. O projeto está em consonância com o empreendimento de readequação da Avenida Perimetral em Santos, no trecho entre o canal 4 e a Ponta da Praia, que prevê uma série de outras intervenções viárias. Com o novo arranjo será eliminada a necessidade de desmembramento das composições no pátio do Macuco e também os conflitos rodoferroviários atuais, o que garantirá maior capacidade de processamento de transporte ferroviário e maior fluidez de tráfego na região.

Modernização do Pátio e dos Acessos ao Corredor de Exportação

Os serviços abrangem a substituição de toda a infraestrutura ferroviária, a implantação das novas linhas com dormentes de concreto e trilhos com novo perfil, além da aplicação de pavimento asfáltico em toda a sua extensão. A ação promoverá o aumento da capacidade de movimentação ferroviária dos atuais 5,5 milhões TU/ano para até 20 milhões TU/ano, além da completa segregação dos modais, que propiciará significativo aumento da segurança operacional para os terminais da região. Além das obras executadas pela Portofer, os arrendatários dos terminais portuários situados no Corredor de Exportação construirão novos sistemas de recebimento, com novas ou repotencializadas moegas, esteiras de recebimento e armazéns.

Extensão de Linha para Estacionamento de Vagões Vazios do Terminal T-Grão

Trata-se de obra  envolvendo a extensão do desvio de atendimento em, aproximadamente, 350 metros, na linha de bitola mista, instalação de sinalização ferroviária ativa e passiva, sonora e visual, além do calçamento das entrevias em paralelepípedos. A ação trouxe o aumento da capacidade estática de atendimento ao terminal T-Grão, além de propiciar mais segurança aos veículos e pedestres na transposição da passagem em nível em frente às instalações da Marinha.

Isolamento da faixa de domínio da Portofer

Trata-se de um conjunto de intervenções para buscar a segregação da faixa de domínio da operação ferroviária das demais atividades do Porto e que tem por objetivo aumentar a segurança operacional através da redução do potencial de acidentes por atropelamentos e abalroamentos. Entre as intervenções estão previstas a continuidade da obra de construção de muros de vedação e de passarelas em locais de grande fluxo de pedestres na travessia da faixa ferroviária, tais como nas regiões do prédio da Alfândega, no Centro, no Canal do Mercado, na Praça da Santa e em Guarujá, no início do pátio ferroviário de Conceiçãozinha.

A iniciativa de construção das passarelas para pedestres visa eliminar o conflito entre o tráfego de pessoas e o ferroviário nos seguintes locais: Alfândega, prédio da Dirop (área de Operações Logísticas), Canal do Mercado, Praça da Santa e Conceiçãozinha. As intervenções permitirão o aumento da velocidade das composições de 10,8 km/h para 15 km/h, a redução do tempo de permanência de vagões e locomotivas, além de garantir maior segurança aos pedestres.

Extensão da Haste de Manobra de vagões vazios em Outeirinhos/ 1ª Fase do Projeto da 3ª linha do Paquetá

Trata-se da implantação do primeiro trecho da chamada “Terceira Linha do Paquetá”, que se estenderá desde a região do antigo prédio do Ministério da Agricultura até a passagem em nível existente em frente ao edifício da área de Operações, com comprimento aproximado de 450 metros. A obra é necessária para aumentar a capacidade de atendimento aos terminais situados no contorno de Outeirinhos, reduzir o volume de manobras e, com isso, atenuar a ocupação das diversas passagens em nível existentes naquela região.

Ampliação de Linhas Férreas do Pátio de Conceiçãozinha

As principais etapas desta ação, que visa a ampliação da capacidade estática do pátio e de atendimento aos terminais da margem do Porto em Guarujá serão a conclusão do projeto executivo, a transferência da base operacional (intercâmbio) do local atual para as proximidades da entrada do terminal TGG, a ampliação das atuais linhas 3, 4, 5 e 6, além de ampliar o desvio do TEG.

Adequação da Pera TGG/Termag

O empreendimento abrangeu a conclusão do projeto conceitual junto aos terminais envolvidos, além da elaboração, aprovação e contratação de empresa para implantação do projeto executivo e realização das obras, visando aumentar a capacidade estática dos terminais, eliminar manobras de fracionamento das composições e ampliar o desempenho operacional dos terminais situados na margem esquerda do Porto de Santos.