Imprimir a página
História do Porto de Santos
 

O moderno Porto de Santos

O marco oficial da inauguração do Porto de Santos é 2 de fevereiro de 1892, quando a então Companhia Docas de Santos - CDS, entregou à navegação mundial os primeiros 260 m de cais construídos (foto) no Valongo, como até hoje denominada aquela área o Centro da cidade. Naquela data, pela primeira vez, atracou no novo e moderno cais, um vapor. Era o "Nasmith", de bandeira inglesa.

Com a inauguração, iniciou-se, também, uma nova fase para a vida da cidade, pois os velhos trapiches e pontes fincados em terrenos lodosos, foram sendo substituídos por aterros e muralhas de pedra. Uma via férrea de bitola de 1,60 m e novos armazéns para guarda de mercadorias, compunham as obras do porto organizado nascente, que se tornaria muito diferente do antigo.




CLIQUE PARA AMPLIAR O porto existe desde o nascimento do Brasil

O Porto de Santos nasceu junto com a colonização do Brasil. Braz Cubas veio para o Brasil na expedição colonizadora de Martin Afonso de Souza, em 1532. Foi dele a idéia de transferir o porto da baía de Santos para o interior do canal, em águas protegidas do vento e das ondas, e também do ataque de piratas, que saqueavam com frequência os povoados do litoral brasileiro. As vilas de São Vicente e de Santos progrediram. No lugar chamado Enguaguaçu, no canal, logo se formou um povoado, motivo para a construção de uma capela e de um hospital, cujas obras se concluíram em 1543. O hospital recebeu o nome de Casa da Misericórdia de Todos os Santos. Em 1546, o povoado foi elevado à condição de Vila do Porto de Santos. Em 1550 instalou-se a Alfândega. Na imagem, um desenho de 1615 mostrando a Vila. Clique nela para ampliar o tamanho.



O desenvolvimento veio com o café

Por mais de três séculos e meio, o Porto de Santos, embora tivesse crescido, tinha o mínimo de mecanização e muito trabalho físico. Além disso, as condições de higiene e salubridade do porto e da cidade resultaram altamente comprometidas, propiciando o aparecimento de epidêmias (na imagem, os trapiches de embarque antes do porto moderno). O início da operação, em 1867, da São Paulo Railway, ligando, por via ferroviária, a região da Baixada Santista ao Planalto, estimulou o desenvolvimento da cidade. A cultura do café estendia-se, na ocasião, por todo o Planalto Paulista, atingindo até algumas áreas da Baixada Santista, o que exigia a ampliação e modernização das instalações portuárias.



A construção do porto é contínua

Em 12 de julho de 1888, ainda no tempo do Império, o grupo liderado por Cândido Gaffrée e Eduardo Guinle foi autorizado a construir e explorar, por 90 anos, o Porto de Santos. Para isso, criaram a Companhia Docas de Santos, que tinha sede no Rio de Janeiro. Inaugurado em 1892, o novo porto não parou mais de crescer. Já são mais de cem anos.

Açúcar, café, laranja, algodão, adubo, carvão, trigo, sucos cítricos, soja, veículos, granéis líquidos diversos, em milhões de quilos, é o cotidiano do porto, que já movimentou mais de 1 bilhão de toneladas de cargas até hoje.




O porto tornou-se estatal em 1980

Em 1980, com o término do período legal de concessão da exploração do porto pela Companhia Docas de Santos, o Governo Federal criou a Companhia Docas do Estado de S. Paulo - Codesp, que administra o complexo santista e é também a Autoridade Portuária. Na imagem, o porto por volta de 1975.



CLIQUE PARA AMPLIAR O maior porto brasileiro

Atualmente, o Porto de Santos é o principal porto brasileiro e latino-americano. Movimenta, por ano, mais de 60 milhões de toneladas de cargas, número inimaginável em 1892, quando operou 125 mil toneladas. Com 13 quilômetros de cais, entre as duas margens do canal estuário de Santos, o porto entrou em nova fase de exploração em 93, com arrendamento de áreas e instalações a empresas privadas, mediante concorrências públicas. Na imagem, uma vista aérea do canal do estuário e do Porto de Santos. Clique nela para ampliar